A decisão

capa de livro de contos de Benedito CarneiroEra criança de pouca idade e decidiu e não contou a ninguém porque as pessoas mais velhas inclusive sua mãe não tomariam a sério uma decisão da menininha. Ela até tentou contar ao irmão mais velho que amava tanto e era seu grande amigo, mas ele estava distraído e não a ouviu. Por isso decidiu duas decisões, a principal e a secundária. A decisão secundária foi a ninguém contar a decisão principal a ser conhecida ao se concretizar.

Tornou-se adulta mulher famosa e importante. Perguntaram-lhe como e quando decidira ser como era, ela lembrou-se do dia das decisões, mas respondeu com evasivas a fim de manter a decisão secundária.

Na adolescência, o irmão lhe disse que ela parecia saber o que queria e parecia orientar sua vida numa direção desconhecida para ele e poderia ser como quisesse porque era inteligente estudiosa decidida e obstinada. Ah, se ele soubesse quanto obstinada era ela e como sabia a direção!

Na escola secundária e na universidade, ela se empenhava para conseguir as maiores notas e ao mesmo tempo estudava as matérias e assuntos da decisão principal. Não estranharam quando ela aprendeu a pilotar aviões pequenos e candidatou-se a um posto na força aérea para o qual foi aceita porque tinha saberes e habilidades desejados nos pilotos de aviões.

Foi no tempo quando as viagens para a estratosfera e para a Lua não mais desafiavam o engenho humano. A base lunar crescia em habitantes e objetos. A espécie humana preparava-se para viajar para mais longe em naves tripuladas. As não tripuladas fazia anos que emitiam sinais além das fronteiras do Sistema Solar.

Ela se sobressaiu na força aérea, foi promovida a piloto de testes, os pilotos destemidos que levam aos ares os aviões incompletos, talvez com falhas, descobrem quais são as falhas e as consequências das falhas no voo do avião. É uma profissão arriscada permitida aos melhores, mais corajosos e, como sempre, obstinados.

Seu desempenho e façanhas na aviação de testes atraiu o interesse da agência aeroespacial que procurava cientistas e pilotos talentosos. E ela mudou-se com armas e bagagens para o maior centro aeroespacial da Terra. Ali produziriam viagens para planetas mais distantes que a Lua se conseguissem.

O último estágio do foguete entrou em órbita de Marte e dele desprendeu-se o módulo tripulado. Suave e lento atravessou o espaço para pousar na superfície do planeta. Depois de avisar à nave em órbita o pouso perfeito, a astronauta única tripulante acionou a escada externa do módulo, abriu a escotilha e desceu os degraus para pisar em solo marciano.

Olhou em volta e para onde alcançava a vista, tirou de um dos bolsos um pedaço de papel e um lápis e riscou algumas linhas nos escritos do papel. A única pessoa da Terra a entender o gesto da astronauta foi o irmão mais velho da menininha que via no televisor a chegada a Marte de sua irmã agora famosa.

Benedito Carneiro

Escritor, físico, professor, locutor de rádio e analista de sistemas.

Comentários estão fechados