Futebol

capa de livro de contos de Benedito CarneiroFutebol é com eles. Na cidade pequena e pobre, a gente se divide entre os fãs das duas equipes de futebol que jogam uma contra a outra e trocam os jogadores entre si de modo a manter as duas equipes semelhantes em poderio futebolístico. É claro que, assim como os jogadores, os torcedores também trocam de time de torcida. Depois de um jogo, uma parte dos torcedores muda a torcida para os vitoriosos, enquanto a outra parte passa para o lado dos perdedores, coitados, perderam o jogo de ontem.

A cidade é pequena, todos comparecem aos treinos e jogos. Treino é modo de dizer porque para eles tudo é jogo. Irem todos é causa de uma situação interessante. Só tem jogos à noite porque durante o dia tem aulas na escola, missas na igreja, lojas abertas com vendedores e compradores, a cidade não para durante o dia nem nos fins de semana porque as galinhas também comem aos domingos.

Já disse que a cidade é pequena e pobre? Pois é. Não tem energia elétrica, menos ainda no estádio de futebol, se assim se pode chamar os barrancos para a torcida em volta do gramado do próprio da municipalidade, simpático nome dado pelos cronistas esportivos brasileiros aos estádios de futebol das prefeituras municipais administradoras.

Por conseguinte, jogos só nas noite da Lua cheia a iluminar o campo, os jogadores, o juiz, os bandeirinhas, a torcida e os vendedores de amendoim. Isso quando tem Lua cheia, mais ou menos sete noites de cada mês. Isso quando não chove ou não está o tempo nublado.

A noite de ontem foi de Lua cheia, céu claro, sem nuvens nem ameaça de chuva. Torcida aplausos vaias risadas palpites e cascas de amendoim atiradas para todo lado. De vez em quando, um casal entusiasmado fugia para trás de um dos barrancos para voltarem dali a alguns minutos sorridentes e ainda abraçados.

Na noite de Lua cheia todos se divertiam e duas ou três nuvens vieram ver o que sucedia e sem querer foram à frente da Lua. As nuvens e o jogo pararam. As nuvens perceberam que incomodavam e moveram-se para o lado. O jogo recomeçou até aparecerem outras nuvens curiosas.

Nuvens e jogo, jogo e nuvens, nuvens jogo e jogo, nuvens nuvens e nuvens. Muitas nuvens juntas atraíram a curiosidade da chuva que chovia em outra cidade, veio ver o que acontecia e acabou com o jogo da noite e motivou uma desabalada correria para casa no escuro.

Hoje, ninguém se lembra do resultado do jogo mais demorado e divertido da temporada. Para o jogo da noite de Lua cheia de hoje os torcedores levarão capas e guarda-chuvas porque os jogadores avisaram que continuarão o jogo mesmo que chova porque o espetáculo não pode parar.

Benedito Carneiro

Escritor, físico, professor, locutor de rádio e analista de sistemas.

Comentários estão fechados