Os dias não são nunca iguais

capa de livro de contos de Benedito CarneiroChegou em casa, tomou banho, comeu o jantar, leu o jornal, viu o noticiário no televisor, escutou o programa de música clássica nas ondas curtas do rádio a pilhas, escovou os dentes, vestiu o pijama, deitou-se, dormiu, sonhou, acordou, levantou-se, tirou o pijama, tomou banho, vestiu a roupa de trabalho, comeu o pão com manteiga, bebeu o café, escovou os dentes, saiu para o trabalho, trabalhou, comeu o almoço, terminou o dia de trabalho, chegou em casa etc., acordou etc., chegou em casa etc.

Não acordou na manhã seguinte porque morreu de madrugada vitimado por um ataque cardíaco.

Benedito Carneiro

Escritor, físico, professor, locutor de rádio e analista de sistemas.

Comentários estão fechados